Por trás da neblina, há esperança?

Filme: Paisagem na neblina (Topio stin omichli)

Diretor: Theodoros Angelopoulos

País: Itália, França, Grécia

Ano: 1988

Trilha sonora: Eleni Karaindrou

Trailler:

http://www.youtube.com/watch?v=FN6jCZXp1Ok

Eu tinha uns dezoito anos e nenhum conhecimento formal a respeito de cinema quando deparei com esse monumento da imagem e do som.

Foi numa dessas vazias sessões de retrospectiva (no caso do cinema europeu dos anos 80), no Cine Lumière (hoje Cine UOL Lumière).  O título, o cartaz, a nacionalidade, tudo – e de uma vez por todas – me chamou a atenção. Entrei naquela sala e mergulhei no filme para dele nunca mais sair. Paisagem na neblina é um desses longas que eu refiro com todas as letras como um dos que mais gosto, um dos mais decisivos em toda a minha vida.

É um filme cinza, lento e silencioso, com planos que são verdadeiras pinturas (alguns deles figurarão com certeza entre os mais belos da história do cinema); cenas longuíssimas sem cortes, de grande densidade. O enredo é envolvente, trágico, sensível. O tipo de filme que prova que o que  importa de verdade numa obra de arte não melhora com o tempo. É um road movie triste in memoriam ao projeto humanista europeu. Uma epopeia melancólica criada no berço da cultura ocidental: a Grécia.

É a história de dois irmãos: Voula (uma pré-adolescente) e Alexander (um gurizinho). Em busca do pai, que supostamente vivia na Alemanha, eles partem em viagem. Uma viagem numa Europa fria, escura e enevoada. Uma viagem que muda definitivamente suas vidas, obrigando-os a amadurecer, de modo trágico, prematuramente. Uma viagem que metaforiza a decadência do mundo ocidental: a impossibilidade da vivência artística, da contemplação, da solidariedade e, no fim das contas, da própria vida.

Mas há uma paisagem por detrás disso tudo. Há esperança (há? O filme é também essa pergunta) por trás da neblina?

Do interior do silêncio dessa narrativa delicada, brota, de tempos em tempos, como uma moldura tênue, a melodia suave e profundíssima de Eleni Karaindrou. Inesquecível. Veja neste link a cena emblemática do pequeno Alexander trabalhando para conseguir comida, na qual fica explícito o papel decisivo da música de Karaindrou na narrativa: http://www.youtube.com/watch?v=_-N-OYPb_2w&feature=related.

Bem, saí do Cine Lumière, assim como entrei: sozinho. E queria dividir desesperadamente aquela experiência com alguém. Telefonei para amigos próximos, nenhum deles tinha sequer ouvido falar no filme. Nada. Nos livros sobre cinema que eu procurava nas bibliotecas, não encontrava uma nota sequer sobre a obra grega. As locadoras mantinham um silêncio duro a respeito. A 2001 possivelmente já tivesse uma cópia do filme, mas àquele tempo eu não a conhecia. Como isso tudo ocorreu na primeira metade dos anos noventa, a Internet e a TV a cabo ainda eram inacessíveis a mim e aos meus amigos e conhecidos. (Para dizer toda a verdade, sinceramente,  eu nem sabia que essas coisas existiam).

É possível que algum leitor diga que eu poderia ter feito uma busca mais cuidadosa para obter informações sobre o filme. Hoje, lendo a respeito na Internet (por exemplo em http://chiphazard.zip.net/arch2009-03-01_2009-03-31.html),  sei que Angelopoulos não só era conhecido como cultuado nos meios cinéfilos em  São Paulo já nos anos 90 e que o filme Paisagem na neblina ficou em cartaz durante uns bons meses no Cinesesc. Mas isso pra mim não significava nada: eu sequer conhecia o Cinesesc.  Chegara ao Lumière de modo totalmente acidental. E quanto ao meios cinéfilos, definitivamente eu não participava deles. Meu ambiente cultural era restrito: meia dúzia de moleques da periferia de São Paulo. Gostávamos de ler e até conhecíamos boa música, mas do cinema europeu não sabíamos nada. Cinema europeu era, pra nós, arte de gente rica.

Foi com grande alívio que revi, uns cinco anos após a memorável sessão do Première – minha première pessoal! – , Paisagem na neblina na TV Cultura. Meu entusiasmo foi tal que liguei para o maior número de pessoas possível, anunciando o MEU FILME!, o filme que eu tinha descoberto e ao qual agora outras pessoas poderiam, com a minha indicação, assistir. Era como se eu guiasse aquela audiência, ou melhor, como se eu a autorizasse.

Com a exibição da Cultura, pude relembrar o nome do filme e procurá-lo nas locadoras mais equipadas. Encontrei-o;  não lembro em qual delas, provavelmente na 2001. Assisti ao filme, gravei-o, e emprestei minha cópia para um número grande de amigos, ainda com a sensação pueril de que divulgava um segredo íntimo.

E é ainda com esse espírito que escrevo este post.

O filme hoje pode ser encontrado em DVD em algumas locadoras de São Paulo, mas confesso que pra mim ele continuará a ser aquela película exibida na sala deserta do Première, numa tarde de inverno, quando eu tinha como único critério pra julgar um filme a minha sensibilidade.

E há critério melhor?

E então: é alugar e assistir.

Aguardo vossos comentários.

Anúncios

8 comentários sobre “Por trás da neblina, há esperança?

  1. Mario de Almeida 27/04/2010 / 16:20

    Já na minha infância, esse filme era referência de “filme bom”. Mais tarde, quando descobri o Cinema, descobri também que estava certo a respeito do “Paisagem na Neblina”.
    Ainda tenho que ir atrás de outros filmes de Angelopoulos, pois sei que vale a pena. Até agora só vi mais dois: “A Eternidade e Um Dia” e “Um olhar a cada dia” (os dois são bons, mas não melhores que o “Paisagem na Neblina”).
    Vale a pena também conhecer o trabalho do cineasta russo, Andrei Tarkovsky, principal influência de Angelopoulos.

    Parabéns pelo blog

  2. blogs oswald 27/04/2010 / 20:44

    Sim, grande Tarkóvski! Gosto de “Stalker” e “O sacrifício”.

  3. Luiza 30/04/2010 / 22:07

    Depois de ler o post, impossível não ter vontade de assistir ao filme…
    Parabéns, Adriano.

  4. sandra cutar 04/05/2010 / 21:53

    alá adriano, esse filme é realmente demais.
    depois de ler seu artigo me deu vontade de assistí-lo de novo.
    parabéns!
    abraço, sandra

  5. Edu Campos 04/05/2010 / 22:19

    Fala Adriano! Parabéns pelo texto. Particularmente gostei muito do tom autobiográfico, dessa coisa mítica que foi para você sair da perifa e assistir a um filme num lugar longe de casa e prestar atenção em todos os detalhes do filme, mas também, imagino eu, muitas outras coisas devem ter lhe chamado a atenção. Imagino que foi nessa época que começou sua migração pendular cotidiana. Legal esse sentimento de primeira vez com coisas que para muitos fica difícil lembrar quando aconteceu, até por não se dar conta que o comum, o banal, para outros (e muitos outros) é uma conquista. Abraços!

  6. Anna 09/06/2010 / 13:52

    Muito legal o post, fiquei morrendo de vontade de assistir a esse filme. Até agora eu também só vi dois filmes do Angelopoulos, “a viagem dos comediantes” e “um olhar a cada dia”. O Primeiro eu adorei, já o segundo…
    Agora vamos ver se o Paisagem na neblina desempata!
    E parabéns pelo blog, Adriano!

  7. carmela 23/06/2010 / 0:27

    Se eu não fosse sua mãe seria sua fãe.

    PARABÉNS NANI.

  8. Thom 22/03/2011 / 18:41

    Filmão! Queria ver no cinema, esse em telão deve ser muito chocante! Valeu pela dica!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s