Agostinho Neto, poeta angolano

Nos países africanos lusófonos, a poesia foi produto direto da relação entre a palavra e o chão histórico de onde ela brotava.

O caso de Agostinho Neto é exemplar: foi o líder central na luta pela independência de Angola, mantendo, como cidadão e poeta, uma postura firmemente engajada, chegando, em 1975, nada menos que ao posto de primeiro presidente da história de seu país.

Retirei o texto abaixo (Certeza) da coletânea Poemas de Angola (Editora Codecri, 1975). É o primeiro livro de Agostinho Neto publicado no Brasil, com prefácio de Jorge Amado, autor que foi referência fundamental para angolanos, moçambicanos, cabo-verdianos e toda a literatura luso-africana engajada.

Faço questão de reproduzir algumas palavras do prefácio, cujo tom eufórico traduz bem o sentimento da época:

“Tomei a máquina de escrever para traçar algumas considerações literárias, pequeno prefácio à edição brasileira de uma coletânea de poemas de Agostinho Neto e acabei por não falar de poesia e, sim, de independência, luta, vitória e ameaças. Mas os poemas aí estão, belos profundos, africanos, poemas de guerra escritos por um homem que ama a paz. Ajudaram o povo na batalha da guerrilha, novamente serão canto de luta e de vitória na nova batalha já começada. Também a publicação desses poemas no Brasil é uma forma de contribuir para Angola independente, democrática e socialista.

Inexoravelmente 

como uma onda que ninguém trava

vencemos.

O Povo tomou a direção da barca.

Assim escreveu o poeta Agostinho Neto, assim há de ser sob o comando de Agostinho Neto, Presidente da República Popular Angolana, grande homem de nosso tempo.

                                                                      Jorge Amado

                                                      Salvador, novembro de 1975″

Certeza

Não me peças sorrisos

que ainda transpiro

os ais

dos feridos nas batalhas.

 

Não me exijas glórias

que sou eu o soldado desconhecido

da Humanidade.

 

As honras

cabem aos generais.

 

A minha glória

é tudo o que padeço e que sofri

os meus sorrisos

tudo o que chorei.

 

Nem sorrisos, nem glória.

 

Apenas um rosto duro

de quem constrói a estrada

por que há de caminhar

pedra após pedra

em terreno difícil.

 

Um rosto triste

por tanto esforço perdido

– o esforço dos tenazes

que à tarde se cansam.

 

Uma cabeça sem louros

porque não me encontrei

no catálogo

das glórias humanas.

Não me descobri na vida

e selvas desbravadas

escondem os caminhos

por que hei de passar.

 

Mas hei-de encontrá-los

e segui-los

seja qual for o preço.

 

Então

num novo catálogo

mostrar-te-ei

o meu rosto

cercado de ramos de palmeira

e terei para ti

os sorrisos que me pedes.

Anúncios

7 comentários sobre “Agostinho Neto, poeta angolano

  1. Juliana Soares 30/09/2011 / 15:54

    Linda poesia, caráter leve, porém eletrizante. Denuncia social discreta.
    Parabéns.
    Juliana Soares
    São Paulo Brasil

    • blogs oswald 01/10/2011 / 1:42

      Juliana, obrigado pela visita. Conhecer os autores de língua portuguesa de outros países é uma viagem deliciosa e fundamental.

  2. RdN 21/02/2012 / 21:28

    Havemos de voltar a Sagrada Esperanca que em Angola depositou Agostinho Neto. Por esta terra entregou-se de corpo e alma.

    • blogs oswald 23/02/2012 / 13:00

      Sim, pefeitamente! E grandes esforços – como o dele e de outros – vêm ficando obnubilados pela atual descrença em projetos mais sonhadores como foi o da libertação de Angola e de outros irmãos luso-lusófonos!
      Saudações e obrigado pela visita.
      Adriano.

  3. Luis Cerqueira 02/05/2012 / 9:18

    É sem duvidas o poeta maior!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s